Páginas

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Sou cristão e estou precisando ir ao psicólogo e agora?


Na Bíblia diz que pecamos por não conhecermos as escrituras, isso nos leva a pensar se a bíblia que é Deus falando conosco, nosso guia de prática cristã e não a lemos quanto mais ler e conhecer algo que não seja ela. O que eu quero dizer com isso é que se eu não tenho ciência do que Deus diz, do que tem origem e legalidade em Deus, como posso dizer que algo não tem cobertura de Deus? Com isso subjugam a prática da psicologia e essa é uma visão que verificamos em vários Cristãos! E na sua falta de conhecimento afirmam categoricamente: “Meu psicólogo é Jesus”, amém, Deus é nosso psicólogo, Ele nos conhece melhor que qualquer profissional de psicologia, mas, atua como, quando e onde Ele quer, e porque não atuar através do psicólogo? Posso até fazer uma comparação quando temos um problema de saúde física, o que fazemos? Marcamos o médico ou até mesmo vamos à emergência. E se alguém disser: Deus cura, por que você vai para o médico que servimos ao todo poderoso? Podemos até pensar que tal pessoa está dizendo indiretamente que não temos fé e retrucar dizendo: “mas Deus deu o conhecimento ao homem, e o que for humanamente possível eu farei. Se for da vontade de Deus me curar através de milagre serei curado se não serei através das mãos do médico!” Usamos logo uma defesa, pois nos sentimos “atingidos” ou “insultados” com tais argumentos, alguns chegam ao ponto de abandonar tratamento médico, pois crêem que foi Deus quem falou através do irmão, mas não consulta a Deus sobre o Seu querer em sua cura.

Mas o que é Psicologia (do grego Ψυχολογία, transl. psykhologuía, de ψυχή, psykhé, "psique, "alma", "mente" e λόγος, lógos, "palavra", "razão" ou "estudo"). Com essa explicação epistemológica vemos que a psicologia é o estudo da mente. Dentro deste estudo da mente pesquisa-se o homem como um ser biopsicossocial, com isso o homem é visto como um todo. Assim como na teologia que há vários teólogos, na psicologia há ramificações com vários teóricos, existindo assim várias correntes teóricas, com isso várias formas de atuar. Seu exercício não é como muitos pensam se te isso se faz assim, se tem aquilo faça assado, não é uma receita de bolo, pois para termos um bolo de laranja precisamos de 250g de manteiga, 2 xícaras de açúcar, 3 ovos, 3,5 xícaras de trigo com fermento,  1 copo de leite e raspa de laranja e uma pitadinha de sal, bate tudo e numa forma untada e polvilhada a forma leva ao forno e pronto, bolo feito e para os mais práticos pode-se comprar o saquinho com todos ingredientes, seguir as instruções e bolo pronto! Mas outros compram o bolo pronto de padaria de bairro que nem sempre é bom, é apenas bonito. O que eu quero dizer se você seguir a receita a cima fará um excelente bolo que pode ser demorado, trabalhoso e até mesmo doloroso, mas foi você quem fez (psicoterapia de longo prazo), o  saquinho com a mistura do bolo é mas rápido é seu trabalho e o seu reconhecimento, porém mais rápido (psicoterapia de curto prazo). Mas psicologia não adianta estudar uma “receita”, ou um livro de auto-ajuda ou comprar o bolo pronto pois nem tudo que é belo é bom, pois somos seres únicos e individuais, ninguém é igual a ninguém, com isso o profissional de psicologia atua diante de cada paciente de forma diferente. A compra do “bolo” ocorre muito com os servos de Deus, pois para ele ir ao psicólogo é tirar a soberania de Deus ou até mesmo uma macula em seu testemunho (Deus não me completa o quanto eu digo, ou que tipo de crente é esse que vai a psicólogo?) na realidade essa resistência é oriunda do medo do outro ou até mesmo do medo do que eu possa ser. Pois posso não ser o que penso, ser o que pensam ou não que eu sou. Resisto por que ser servo de Deus me faz ser melhor que todo mundo! Hipócrita! Não existe super crente, não existe essa de sermos melhor que ninguém, somos pó, somos o que o pecador é, o que nos diferencia do pecador, humanamente falando, é o reconhecimento que Deus é o nosso único Senhor, com isso, a presença do Espírito Santo em nossa vida. No mais, somos iguais e pecadores e necessitamos de Deus da mesma forma que o ímpio.

Vou comparar as teorias da psicologia com as diversidades de igrejas evangélicas que temos hoje nos deparamos com igrejas tradicionais, igrejas pentecostais, avivadas, onde todos os gostos, ou melhor, para cada tipo de verdadeiro adorador, existe uma igreja que se enquadra diante de sua personalidade, de suas características de adorador. Ninguém com características tradicionais se enquadra numa igreja com características pentecostais, o mesmo se dá ao inverso. As abordagens da psicologia ocorrem mais ou menos da mesma forma, onde cada psicólogo podemos comparar com o pastor (apenas efeito de comparação, são atuações práticas muito diferentes) atua de uma forma diferente diante da teologia que crê, assim o psicólogo atua diferente diante da abordagem que estudou e tem domínio, com isso, há várias abordagens que tem um mesmo objetivo auxiliar o homem através do conhecimento. Assim como a igreja tem um único objetivo adorar a Deus em espírito e em verdade, independente da teoria ou teologia abordada.

Mas se eu sou Cristão por que precisaria de um psicólogo? Porque você é seguidor de Cristo, mas não é Cristo, é humano e necessita de cuidados, nosso corpo, nossa mente e nosso espírito. Se estamos doente do corpo, procuramos médico, se estamos doentes do espírito procuramos o pastor e porque quando estamos doentes da mente não procuramos o psicólogo? O estigma de não procurar acompanhamento psicológico não é apenas no meio Cristão, mas sim, na maioria da sociedade. Enquanto para uns fazer psicoterapia é status para outros é algo desnecessário e ainda diz: eu não sou louco para ir ao psicólogo. O que só comprova a falta de conhecimento quanto a atuação da profissão, a psicoterapia não é apenas para transtornos mentais e há alguns transtornos que em crise não podem ser trabalhados pelo psicólogo. Há momentos em nossa vida que não conseguimos lidar com determinadas situações e isso é uma das formas que o profissional nos auxilia. Auxilia-nos no autoconhecimento, na auto-estima, nos estresses do dia-a-dia, nos nossos limites, nos nossos traumas, nas aceitações, nas emoções, na depressão, na adversidade... o psicólogo não é Deus, nem o substitui, mas é um instrumento que te auxilia, que te dá suporte no seu cotidiano, onde você pode contar com um profissional habilitado com o conhecimento do psiquismo e com o sigilo, descrição e imparcialidade. Na psicoterapia você não esta para ser julgado ou rotulado, você esta para ser tratado diante de sua necessidade.

Fique com Deus!

Maria Helena Matos
Psicóloga
 
 http://mariahelenamatos.blogspot.com/2011/05/sou-cristao-e-estou-precisando-ir-ao.html

2 comentários:

  1. Adorei seu post Psicóloga Maria Helena ... também sou psicóloga e também sou evangélica, e percebo o quanto precisamos esclarecer aos nossos irmãos que tanto sofrem, mas não procuram ajuda porque acham que estarão indo contra a Palavra de Deus... a psicologia existe para contribuir e não para destruir ...

    ResponderExcluir
  2. Oii ^^ Sou evangélica e a cada dia que passa, me apaixono por essa área, mas muitas vezes tive medo de cursar e perder a minha fé, mas através desse post, vejo que sim, posso conciliar as duas coisas! E que isso nao influenciará em nada. Pretendo começar a faculdade no inicio de 2016, espero que dê tudo certo. Obrigada novamente! Deus abençoe.

    ResponderExcluir

Faça um blogueiro feliz. Comente.
Sua opinião é importante.
Obrigada.