Páginas

domingo, 27 de janeiro de 2013

Reaprendendo a orar

A oração é um momento único entre o ser criado e seu Criador que tem se tornado escasso hoje em dia. É hora de o cristão refletir sobre como tem sido sua intimidade com Deus.
http://4.bp.blogspot.com/-jbD7Z-kuN3I/T-TNMtot48I/AAAAAAAABfo/EX6EYCP_PfQ/s1600/orar+sem+cessar_thumb%5B8%5D.jpgHá um obituário bem-humorado que circula pela internet com a seguinte notícia: “Faleceu, na Igreja dos Negligentes, a saudosa ‘Reunião de Oração’, que já estava enfraquecida desde os primeiros séculos da era cristã. A causa da morte: frieza de coração e dureza nos joelhos – os quais não se dobravam mais. Outros problemas que culminaram em sua morte foram desânimo, falta de tempo e boa-vontade”.
A brincadeira com o tema carrega uma profunda verdade. A prática da oração tem sido deixada de lado por muitos cristãos. E se já é difícil frequentar as reuniões para orar com os irmãos da igreja, mais ainda é encontrar tempo na agenda pessoal diária para momentos a sós com Deus. Mas se o tempo está escasso, é hora de rever as prioridades e seguir o exemplo de personagens bíblicos que, desde a Antiguidade, obtiveram vitórias de Deus porque, simplesmente, dobraram seus joelhos.
Foi através da oração silenciosa e contrita de Ana que ela recebeu Samuel como resposta de Deus. Foi a oração corajosa de Jabez que mudou a história de sua vida. Moisés venceu o impossível aos olhos humanos pelo poder da fé. Daniel foi liberto da cova dos leões. Por duas vezes, Ezequias foi abençoado em suas orações. Foram as orações de quebrantamento de Davi que o tornaram um homem segundo o coração de Deus.
Quem experimentou sabe que não existe comunhão com Deus sem a oração. “Vigiai e orai”, “Orai sem cessar”, são recomendações de peso encontradas nas Escrituras. “Clama a mim, e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas que ainda não sabes” (Jr 33:3).
O exemplo
Nosso maior exemplo de atitude de oração é o mestre Jesus. O desgaste físico não o impedia de orar. Ele levantou-se alta madrugada, depois de um dia intenso de trabalho, e foi para um lugar deserto para orar. Ali, ele derramou o seu coração em oração ao Pai Celeste. Jesus entendia que intimidade com o Pai devia preceder o exercício do ministério.
Cristo deu grande importância à oração. Ele mesmo orou quando foi batizado (Lc 3.21). Orou uma noite inteira antes de escolher os doze apóstolos (Lc 6.12). Ele se retirava para orar quando a multidão o procurava atrás de milagres (Lc 5.15- 17). Ele orou antes de fazer uma importante pergunta aos discípulos (Lc 9.18), e também orou no Monte da Transfiguração, quando o Pai o consolou antes de ir para a cruz (Lc 9.28). Ele orou antes de ensinar seus discípulos a “Oração do Senhor” (Lc 11.1). Jesus orou no túmulo de Lázaro (Jo 11.41-42). Orou por Pedro, antes da negação (Lc 22.32). Orou durante a instituição da Ceia (Jo 14.16; 17.1-24). Orou no Getsêmani (Mc 24.32), na cruz (Lc 23.34), e também após a ressurreição (Lc 24.30). Hoje ele está orando por nós (Rm 8.34; Hb 7.25).
Em suas orações, Jesus buscava intimidade com o Pai. Marcos registra três momentos em que Jesus preferiu o refúgio da oração: primeiro, depois do seu bem-sucedido ministério de cura em Cafarnaum, quando a multidão o procurava apenas por causa dos milagres (1.35-37); segundo, depois da multiplicação dos pães e peixes, quando a multidão queria fazê-lo rei (6.46); e terceiro, no Getsêmani, antes da sua prisão, tortura e crucificação (14.32-42).
O resgate da oração
O que não faltam são situações e instrumentos com poder de roubar o tempo e contribuir para que cada vez se ore menos. Televisão, rádio, internet, mídias sociais, trabalho intenso, estudo, família, filhos para cuidar são alguns exemplos.
O conceito e o uso do tempo mudaram bastante. Hoje as pessoas estão muito mais apressadas e escravas de suas agendas. Até Deus, o Todo Poderoso, precisa aguardar uma brecha em meio a tantos compromissos para que o cristão possa falar com Ele. Essa é mais uma prova de quanto a Era Moderna mudou o homem – que, além de ocupado, está cada vez mais cheio de si mesmo e vazio espiritualmente, por não dar ao Reino o devido valor.
Na visão do pastor Nildo Gomes, da Igreja Batista em Vale Encantado, Vila Velha, falta ao cristão reaprender não apenas a orar, mas reaprender sobre Deus. “Redescobrir o Deus das Escrituras, o Deus ensinado por Cristo em suas parábolas, e não o Deus ensinado apenas pelos teólogos. Redescobrindo a intimidade de um Deus amoroso e perdoador, redescobriremos a verdadeira oração”.
O pastor considera que muitos crentes têm-se afastado da simplicidade da fé e por isso deixam de manter uma vida de oração, de separar tempo para falar com o Pai. “Gostam de complicar as coisas, criam rituais, confiam em preces prontas ou em super-pregadores da televisão, que ‘oram’ por eles. Sem intimidade, sem aquela saudade de Deus, aquela vontade de ficar perto dEle e sentir seu amor, não há mesmo como manter uma assiduidade, uma vida de oração”.
A dependência da oração alheia vem tornando-se o vício de muitos crentes. É o que aponta o pastor Ecimar Rodrigues de Oliveira, da Igreja Presbiteriana Manancial de São Pedro I, Vitória. “Oração é meio de graça de Deus. Isso é uma conquista individual. Muitos crentes estão dependendo daqueles que têm vida de oração. Querem bênçãos de Deus a troco da oração alheia. Deus não se agrada disso, Ele quer a nossa busca, o nosso amor por Ele manifestado em atitudes”.
A jovem estagiária de Direito Simone Vaz investe no seu tempo com Deus. Gosta de tirar o período da noite para orar, especialmente as madrugadas. “Nada tira minha concentração. Aproveito o horário de almoço para orar e interceder por algumas pessoas também e, no decorrer do dia, em muitos momentos, me coloco em atitude de oração”.
Simone não abre mão do tempo com Deus mesmo tendo um dia cheio. “Muitas atividades roubam o nosso tempo. Às vezes, perdemos horas com coisas que nada nos acrescentam. Quando Deus ocupar o lugar de destaque que merece e precisa ocupar em nossa vida, grandes coisas fará por nós”.
A prática da oração
O pastor José Ronaldo Andrade, da Igreja Quadrangular da Ilha de Santa Maria, Vitória, relata que a prática constante da oração na vida das pessoas só será desenvolvida se houver um discipulado eficiente em suas vidas. “As pessoas têm orado menos, sim, mas a qualidade da oração caiu muito também. Se o crente não entender que aprender sobre Deus é determinante para ele ter uma vida de intimidade com o Senhor, dificilmente ele conseguirá praticar a oração em todos os momentos do seu dia”.
Ele destaca ainda que quando todos os discípulos de Jesus nesse tempo voltarem às raízes da igreja primitiva, nosso relacionamento com Deus mudará. “A principal característica da igreja descrita em Atos é intimidade com Deus, comunhão, o andar com Deus em tudo. Isso é conquista de uma vida aos pés do Senhor. Um povo que não ora é um povo enfraquecido e, como conseqüência, a igreja é enfraquecida também”.
Infelizmente, não apenas a oração tem sido deixada de lado, mas também o estudo da Palavra. “Temos que aprender a lidar com o pós-modernismo. Enquadrar nossa vida aos propósitos divinos, e não o contrário. Precisamos resgatar a leitura das Escrituras, que também tem sido escassa em meio à igreja moderna. Quando lemos e meditamos na Palavra, ganhamos intimidade. E isso só se conquista com comunhão. O Evangelho é individual, é relacionamento e caminhar com Deus”, falou o Pr. José Ronaldo.
“Pai Nosso”, a oração modelo
A oração que Jesus ensinou aos seus discípulos (Mt 6:9-13) é um exemplo, um modelo de como devem ser as orações. Jesus não estava ensinando palavras para serem memorizadas e repetidas, simplesmente. Ele estava ensinando o que era importante constar nas orações. O Pai Nosso tem algumas características importantes. São sete petições por bênçãos espirituais e apenas um pedido por necessidade material. Destaques:
• Reverenciar e glorificar a Deus: “Pai, santificado seja o Teu nome”.
• Buscar a vontade de Deus: “Venha o Teu reino”.
• Reconhecer a dependência de Deus para as necessidades físicas: “O pão nosso cotidiano dá-nos”.
• Reconhecer a dependência de Deus para as bênçãos espirituais: “Perdoa-nos os nossos pecados, pois também nós perdoamos a todo o que nos deve. E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”.
Desperte o desejo pela oração
• Jesus ensina a orar sempre, sem desanimar (Lc 18.1).
• Não ore apenas quando precisa pedir algo. Ore pelo desejo de comunhão com Deus. Ore porque ama a Deus.
• Disciplina na oração tem a ver com disciplina na vida. Ninguém vence na vida sem disciplina. Ninguém vence na vida de oração sem disciplina.
• Disciplina na oração tem a ver com prazer. Se o crente ora pouco, é porque não tem prazer em orar. Se tem prazer na oração, busca disciplinar-se para orar mais.
• Sem disciplina, não se ora. Sem oração, começa-se a vida na dependência de Deus e pode-se terminá-la na dependência de si mesmo.
• Você terá tempo para orar quando souber, na prática, quem é o Dono do seu tempo. Se o seu tempo também estiver no altar, você viverá no altar.
• Muitos escolhem um estilo de vida e depois o condenam, como se não o tivessem escolhido.
• Reconheça a sua dificuldade em consagrar tempo para a oração e peça a Deus para moldá-lo nesta área, básica para as demais. Conheça a si mesmo. Conheça seu corpo (para identificar qual o melhor horário e qual a melhor posição para orar). Conheça sua mente (para entender o que o concentra ou dispersa).
• Elabore uma lista do que você pode deixar de fazer para ter mais tempo para o que realmente importa.
• Firme um compromisso que seja mensurável. (É vago dizer: “vou orar mais”. É preciso dizer: “vou orar todos TANTOS minutos por dia”.) Estabeleça metas diárias.
• Procure tornar a hora da oração algo agradável (como a criação de um ambiente propício, posição confortável do corpo, audição de músicas de preparação, leitura intercalada de trechos da Bíblia).
Fonte: Israel Belo de Azevedo, www.seminariodosul.com.br
“Um povo que não ora é um povo enfraquecido e, como conseqüência, a igreja é enfraquecida também”
Pr. José Ronaldo Andrade
“Aproveito o horário de almoço para orar e interceder por algumas pessoas também e no decorrer do dia, em muitos momentos, me coloco em atitude de oração”
 Simone Vaz
“Muitos crentes gostam de complicar as coisas, criam rituais, confiam em preces prontas. Sem intimidade, vontade de ficar perto dEle, não há como manter uma assiduidade, uma vida de oração”
 Pr. Nildo Gomes
“As pessoas estão dependendo daqueles que têm vida de oração. Querem bênçãos de Deus a troco da oração alheia. Deus não se agrada disso, Ele quer a nossa busca, o nosso amor por Ele manifestado em atitudes”
 Pr. Ecimar Rodrigues de Oliveira

Revista Comunhão / Portal Padom

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Criando filhos que o mundo odiará

http://3.bp.blogspot.com/-HDQoHLWbbTM/UOxIRtFZJUI/AAAAAAAAFSA/oBTNrf5v3Sc/s1600/excluido.jpg

por Adam Griffin Quando eu era garoto, meu pai me perguntava: “O que você quer ser quando crescer?” E eu respondia com franqueza (adoravelmente, sem dúvidas), “um papai”. Quando meu implacável e realista pai me informou que ninguém me pagaria para ser pai, eu lhe disse que ficaria feliz se pagassem a mim.

Em 2011, meu sonho de me tornar pai tornou-se realidade quando meu filho, Oscar, nasceu. Desde este dia, minhas esperanças e sonhos se voltaram para o que o Oscar será quando crescer. É claro que eu gosto de imaginar ele crescendo bonito, talentoso, piedoso e amável, mas não tem como saber isso ainda. É quase certo que ele terá uma grande afinidade pela Texas A&M (Universidade de pesquisa co-educational pública localizada em College Station, Texas) e pelo Green Bay Packers (time de futebol americano com base em Green Bay, Wisconsin). Sem dúvida, ele terá uma cabeleira decepcionante, gostará de comer e suará mesmo quando estiver frio. Para a maioria das coisas, no entanto, vou ter que esperar para ver o que ele vai ser quando crescer.

Muitas vezes, eu sonho com o grande homem que ele pode ser e quão amável ele será para os outros. Eu sonho que técnicos, professores e pastores irão aprová-lo e até mesmo se impressionar com ele. Imagino seus colegas tendo alta consideração por ele, querendo estar perto dele o tempo todo. Eu imagino que a geração que o segue irá admirá-lo. Eu amo a ideia de que, enquanto ele se torna um homem, ele alcançará favor em tudo e com qualquer pessoa que ele entrar em contato. Alguns desses desejos são saudáveis, e alguns são orgulhosos.

Eu tenho um forte, e certamente não-incomun, desejo de que meu filho seja validado pelo amor das outras pessoas. Muitos pais querem que seus filhos ou filhas sejam pessoas amadas, mas este desejo não é o que faz João 15.19 tão transformador e importante quando confronta a maneira como preparamos nossos filhos para o futuro. Cristo diz a seus discípulos: “Se vocês pertencessem ao mundo, ele os amaria como se fossem dele. Todavia, vocês não são do mundo, mas eu os escolhi, tirando-os do mundo; por isso o mundo os odeia”. E não é apenas em João 15.19. Há muitos textos nas Escrituras que descrevem a relação conflituosa que os seguidores de Deus terão com aqueles que não são crentes.

Lendo isto, percebi que se Deus responder minhas orações para que meu filho se torne um seguidor de Cristo, as pessoas irão odiá-lo. Sem dúvida, as pessoas serão absolutamente repelidas por meu filho.
Se Deus graciosamente salvar meu Oscar, pessoas irão chamá-lo de fanático e homofóbico. Alguns irão ridicularizá-lo como um machista da mesma forma que eles desprezam suas crenças “sexistas”. Ele será desprezado como um “mente fechada” por dizer que Jesus Cristo não é apenas Deus, mas o único Deus. Ele provavelmente vai conhecer uma garota que o insulta por sua masculinidade ou por considerá-lo antiquado por esperar um casamento sem ter tido sexo. Seus colegas irão achar que ele é um puritano. Valentões irão chamá-lo de covarde. Sua integridade atrairá insultos como “caxias” (eu não sei o que isso significa).

Os professores acharão que meu filho ignora os fatos científicos sobre nossas origens, incitando seus colegas de classe a acharem ele um idiota. Pessoas vão dizer que ele foi desviado por seus pais a um caminho ultrapassado de moralidade mascarado por um relacionamento com Deus. Consultores financeiros irão achar que ele é irresponsavelmente generoso. Quando ele tomar uma decisão, haverão aqueles que não tolerarão sua intolerância. Ele será julgado como julgador. Ele terá inimigos e eu pedirei que ele os ame, e mesmo por isso ele parecerá um tolo.

Se você é como eu e espera que seus filhos sejam seguidores devotos e completos de Cristo, então precisamos criar uma geração que está preparada para ser distintivamente diferente de seus colegas. Em muitas formas, isto é o oposto da minha inclinação natural de como criar meu filho. Criar filhos que estão prontos para serem odiados significa criar crianças que não têm vergonha de seu amor por Deus mesmo em meio ao ódio e à alienação. Independente dos insultos serem legítimos ou ingênuos, oro para que nossos filhos estejam prontos para manterem-se firmes em meio a um mundo que os odeia.

Traduzido por André Carvalho | iPródigo.com | Original aqui

http://iprodigo.com/traducoes/criando-filhos-que-o-mundo-odiara.html 

Como não ler sua Bíblia em 2013

http://2.bp.blogspot.com/-4YjcU5zThuE/UCFbeL5hm2I/AAAAAAAAAdE/BA24LLAmfxo/s1600/559642_293592444049126_100001951170383_673390_1632245937_n.jpg

por Matt Smethurst

Quando se trata de leitura bíblica diária (ou não tão diária), 1 de janeiro pode ser uma data bem-vinda.  Um novo ano é sinal de um novo começo.  Você é motivado a (novamente?) se comprometer para o que você sabe que é de uma importância indispensável: a Palavra de Deus.
Ainda assim, essa não é a primeira vez que você se sente assim. Você estava se entretendo com pensamentos muito semelhantes a esse 365 dias atrás. E 365 dias antes disso. E 365 dias… Você sabe aonde isso vai parar.
Então, o que vai tornar 2013 diferente? O que, diante de Deus, vai manter você marchando lentamente em abril deste ano, quando o poder para permanecer geralmente desapareceu em abris de outrora? De um peregrino que tropeça para outro, aqui estão 5 sugestões do que não fazer  em 2013.

1 – NÃO SE PROLONGUE

“Mire na Lua. Mesmo se você errar, você vai aterrissar entre as estrelas!”
Essa citação banal de anuário escolar de Ensino Médio é um mau conselho para a maioria das coisas, planos de leitura bíblica não são exceção. Se você mirar e perder a “lua” de 6 capítulos em um dia, você não vai calmamente aterrissar nas “estrelas” de três. Você vai simplesmente se perder no espaço.
É melhor ler um capítulo por dia, todo dia, do que quatro por dia de vez em quando. Além disso, o valor da meditação não pode ser negligenciado. Meditação não é um devaneio espiritualizado; é a reflexão na revelação.  Leia menos, se precisar, para meditar mais. É fácil encontrar um torrencial de verdades divinas, mas sem absorção, e aplicação, você vai estar pouco melhor para a experiência.
Como Thomas White certa vez disse, “É melhor ouvir apenas um sermão e meditar naquilo, do que ouvir dois sermões e não meditar em nenhum deles.” Eu creio que é um belo e sábio conselho para leitura bíblica também.

2 – NÃO FAÇA SOZINHO

Quando se trata de consistência em leitura bíblica, um esporte solo pode ser mentalmente letal. Com certeza, é por isso que muitos ficam sem gás; eles se sentem como se estivessem correndo sozinhos. Para evitar os perigos da isolação, então, convide outros um ou dois para se juntar a você em 2013. Coloque objetivos, faça compromissos e tornem-se responsáveis uns pelos outros.  Torne a sua leitura pessoal das Escrituras em um esforço grupal, um projeto comunitário. Uma devocional diária também pode funcionar como uma útil companhia e guia.

3 – NÃO FAÇA A QUALQUER HORA

Toda manhã, nós despertamos para um novo dilúvio de informações. Nós agora atingimos o ponto onde, eu ouvi dizer, uma média de edições semanais do The New York Times contém mais informações do que Jonathan Edwards encontrou em toda a sua vida. Eu não sei se é verdade, mas com certeza me faz pensar.
É, então, imperativo determinar uma hora específica a cada dia quando você ficará a sós com Deus. Mesmo que seja um tempo modesto, guarde-o com a sua vida. Explique seu objetivo para aqueles mais próximos de você e os convide a lhe ajudar. De outro modo, a tirania do urgente continuará a levantar sua implacável cabeça. O que é urgente rapidamente tirará o lugar do que é importante, e o que é bom irá suplantar o que é melhor.
Se sua tática básica é ler sua Bíblia a qualquer hora, as chances são de que você nunca irá lê-la. E se você não controlar o seu cronograma, o seu cronograma controlará você. Isso já aconteceu comigo mais vezes do que eu gostaria admitir.

4 – NÃO VIVA COMO SE PAULO TIVESSE MENTIDO    

Você sabia que Levítico, Crônicas e Obadias foram escritos para lhe encorajar? Era nisso que Paulo acreditava: “Porquanto, tudo que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que, pela constância e pela consolação proveniente das Escrituras, tenhamos esperança.” (Rm 15.4; cf. 1 Co 9.10; 10.6, 11; 2 Tm 3.16).
Que palavra arrebatadora! Paulo está indo tão longe como ao reivindicar que a totalidade do Antigo Testamento é para você – para te instruir, te encorajar, te ajudar a suportar e para te dar esperança.
Poucos de vocês concluirão que Paulo está simplesmente enganado aqui. Bons evangélicos, afinal de contas, são felizes por terem apóstolos inspirados em suas palavras.  Mas será que a nossa abordagem em relação às nossas Bíblias nos contam uma historia diferente?  Será que nós agimos como se Números, Reis ou Naum tivessem o poder de infundir em nossas vidas com ajuda e esperança?
Sempre que você abrir a sua Bíblia, trabalhe para acreditar que Deus tem algo aqui para me dizer. Tudo que eu encontrar em sua Palavra foi escrito para mim, seu filho querido. Então procure a graça de Deus nas Escrituras esse ano. Força para hoje e brilhante esperança para o amanhã te aguardam em todos os lugares.

5 – NÃO TRANSFORME OS MEIOS DA GRAÇA NOS MEIOS DO MÉRITO

O amor de seu Pai por você não aumenta ou diminui com suas devocionais.  Se você está unido em Jesus pela fé, o veredicto foi dado e o tribunal está dispensado. Você é aceito e abraçado como o próprio Filho. Ponto final.
Certamente, você desejará ouvir e seguir sua voz se é verdadeiramente uma de suas ovelhas (Jo 10.1-30; cf. 8.47; 18.37). Não sempre e nem perfeitamente, é claro, mas sincera e crescentemente.
Então, enquanto outro ano amanhece, comprometa-se novamente a se tornar um homem oue uma mulher segundo a Palavra. Mas não se prolongue, não faça sozinho, não faça a qualquer hora, não viva como se Paulo tivesse mentido e nem transforme os meios da graça nos meios do mérito.
Sua Bíblia é um dos principais presentes de Deus para você em 2013. Abra, leia, rumine e obedeça. Que você seja transformado na imagem do nosso encarnado Rei, e que somente Ele receba a aclamação.


Traduzido por Ju Néris | iPródigo.com | Original aqui

http://iprodigo.com/traducoes/como-nao-ler-sua-biblia-em-2013.html 

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

5 Maneiras de Orar por Seu Pastor em 2013

http://voltemosaoevangelho.com/blog/wp-content/uploads/2012/12/2013-mais-ore.jpg
por Nicholas Batzig

Um dia desses eu recebi uma carta de um médico que eu não conhecia até então. Tendo me dito o quão ele havia sido beneficiado por alguns de meus sermões e artigos, ele continuou e me disse: “Eu oro por você. Eu serei capaz de fazê-lo diariamente agora, e estou certo de que você será ajudado e fortalecido em seu ministério e sua família.” Este foi um enorme conforto e encorajamento para mim. Ao contrário do que algumas pessoas possam supor, ministros do evangelho precisam desesperadamente das orações dos santos. Um de meus professores de seminário costumava dizer ao corpo discente: “Pastores possuem um alvo em suas costas e pegadas em seus tórax.” Esta é uma descrição bastante apropriada das dificuldades que os servos de Deus são chamados para suportar por causa do evangelho. Os dardos inflamados do maligno estão persistentemente sendo atiradas em pastores. Além disso, o mundo está ansioso por atropelá-los em qualquer oportunidade. Isso é, infelizmente, também uma realidade com relação a alguns na igreja.

Com tanta oposição e dificuldade de dentro e de fora, pastores precisam constantemente que o povo de Deus esteja orando por eles. O pastor precisa das orações das ovelhas tanto quanto elas precisam das orações dele. Ele também é uma das ovelhas de Cristo, e está suscetível às mesmas fraquezas. Ainda que haja muitas coisas que se possa orar pelos pastores, aqui estão cinco categorias escriturais diretas:

1. Ore para que ele seja protegido espiritualmente contra o mundo, a carne e o Diabo.

Quer tenha sido a ira pecaminosa de Moisés que levou-o a golpear a rocha (Números 20:7-12), o adultério e o assassinato de Davi (2 Samuel 11), ou a negação de Pedro ao Senhor (Mateus 26:69-75) e a negação prática da justificação somente pela fé (Gálatas 2:11-21), os ministros são confrontados com a realidade da fraqueza da carne, das investidas do mundo e da fúria do diabo (veja este artigo). Tem havido uma pletora de ministros que caíram em práticas pecaminosas na história da igreja, trazendo assim desgraça para o nome de Cristo. Visto que Satanás tem os ministros do evangelho (e suas famílias) trancados em sua mira; e visto que a honra de Deus está em jogo de maneira intensificada com qualquer ministro público da palavra, membros de igreja devem orar para que seu pastor e a família de sue pastor não seja uma vítima do mundo, da carne, ou do Diabo.

2. Ore para que eles sejam livrados dos ataques físicos do mundo e do Diabo.

Enquanto esteve aprisionado em Roma, o apóstolo Paulo encorajou os crentes em Filipos a orarem por sua libertação quando escreveu: “Estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pela provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação” (Filipenses 1:19). (Veja também 2 Coríntios 1:9-11).
Quando Herodes prendeu Simão Pedro, nós aprendemos que “havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele” (Atos 12:5). Após uma libertação digna do Êxodo, Lucas nos diz que Pedro apareceu na casa onde os discípulos estavam continuamente orando por sua libertação. Este é ainda outro exemplo do ministro sendo livrado do mal devido, em parte, às orações dos santos.

3. Ore para que portas sejam abertas para eles para que espalhem o evangelho.

Em sua carta aos Colossenses, Paulo pediu à igreja que orasse “para que Deus nos abra porta à palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual também estou algemado” (Colossenses 4:3). O sucesso do compartilhamento do evangelho é dependente, em parte, das orações do povo de Deus. Desta maneira, a igreja participa do ministério do evangelho com o pastor. Embora ele não seja o único no corpo que seja chamado para espalhar a Palavra, ele possui o chamado único de “fazer o trabalho de um evangelista.” Os santos o ajudam a cumprir este trabalho orando para que o Senhor abra as portas “à palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo.”

4. Ore para que eles tenham ousadia e poder para pregar o evangelho.

Além de orar para que portas sejam abertas para o ministério da palavra, o povo de Deus deve orar para que os ministros possuam uma ousadia forjada pelo Espírito. Quando escreveu à igreja de Éfeso, o apóstolo Paulo pediu que eles orassem “para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mistério do evangelho” (Efésios 6:19).  Há uma história muito conhecida de vários estudantes universitários indo visitar o Tabernáculo Metropolitano para ouvir Charles Spurgeon pregar. A história diz que Spurgeon os encontrou na porta e se ofereceu para mostrar-lhes o lugar. Em determinado momento, ele perguntou se eles queriam ver as instalações do aquecedor (a sala da caldeira). Ele os levou ao subsolo onde eles viram centenas de pessoas orando para que Deus abençoasse o culto e a pregação de Spurgeon. A reunião do povo de Deus para orar pelo ministério da Palavra é o que ele chamava de “as instalações do aquecedor!” Crentes podem ajudar os ministros orando para que lhes seja dada ousadia e poder na pregação do evangelho.

5. Ore para que eles tenham um espírito de sabedoria e entendimento.

Uma das mais urgentes necessidades de um ministro do evangelho é que lhe seja dada a sabedoria necessária para aconselhar, para saber quando confrontar, para mediar e discernir as necessidades pastorais particulares de uma congregação. Esta é uma necessidade que absolutamente abrangente e recorrente. O ministro é confrontado diariamente com os desafios particulares para os quais ele necessita desesperadamente da sabedoria de Cristo. É dito a respeito de Jesus que “o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza” repousaria sobre Ele (Isaías 11:2). Os servos de Cristo precisam do mesmo Espírito. Muito prejuízo é causado na igreja como um todo se o ministro não procede com a sabedoria proporcional aos desafios com os quais ele é confrontado. Aqueles que se beneficiam de sua sabedoria podem ajudar o ministro pedindo para que esta divina bênção venha do céu e repouse sobre ele.

Por Nicholas Batzig. Extraído do site ligonier.org. © 2012 Ligonier Ministries. Original: 5 Ways to Pray for Your Pastor in 2013
Tradução: Alan Cristie – Editora Fiel © Todos os direitos reservados

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Coisas que as Pessoas Nunca Deveriam Dizer que Nunca Ouviram em Sua Igreja

http://leesvillefaith.com/images/OpenBible-3.jpg
Por Kevin DeYoung
Eu estremeço cada vez que ouço o testemunho de um cristão que cresceu na igreja e só mais tarde veio a entender alguns pontos fundamentais da fé. É claro que algumas coisas são difíceis de entender. Temos que beber leite antes de comermos carne. Não me desaponto com as pessoas que nunca aprenderam a palavra propiciação ou nunca souberam a diferença entre as obediências ativa e passiva de Cristo. Estes são conceitos incrivelmente importantes e devemos ensiná-los a partir das bases. Mas estou falando do básico, das coisas que todo cristão deveria saber de trás para frente, as coisas que deveríamos ouvir na igreja a todo tempo.

Certamente as pessoas não lembram tudo o que elas deveriam lembrar. É possível que a culpa repouse sobre os ouvintes tanto quanto nos oradores. Mas ainda assim, isso é apenas mais incentivo para tornar certas coisas claras como água. Não devemos assumir que nossos membros sabem o que eles precisam saber. Não podemos assumir que eles ouviram o que pensamos que já lhes dissemos.
Como pastor, há certas coisas que espero que os membros de minha igreja nunca dirão que nunca ouviram. Estas não são necessariamente as mais importantes doutrinas da fé (ainda que algumas sejam). Contudo, são coisas que nós facilmente assumimos que nossos membros sabem, mas frequentemente ainda deixam escapar.
 
E quando eles deixam escapar estas coisas, eles podem acabar perdendo todo o resto.

1. “Ser um cristão é mais do que ir à igreja e ser uma boa pessoa.” Nós temos que tornar essa aqui absolutamente e repetitivamente clara.  Posso lhe assegurar que há pessoas em sua igreja (e na minha) que pensam que o cristianismo consiste em comparecer em cultos religiosos com alguma regularidade e não cometer grandes erros. Certifique-se de que eles conhecem o evangelho, que Jesus Cristo viveu a vida que nós não poderíamos viver e morreu a morte que nós merecíamos para que, pela fé somente, nós pudéssemos ser reconciliados com Deus. Certifique-se de que eles possam articular o evangelho também.

2. “Devemos nascer de novo.” Estou chocado que a história mostra que avivamentos frequentemente seguem quando pregadores retornam a este tema vez após vez. Seus membros sabem que eles estão mortos em pecado e precisam do milagre da regeneração?

3. “Precisamos desenvolver um relacionamento pessoal com Cristo.” Nós podemos nos cansar do termo “relacionamento pessoal”, mas ele tenta chegar a algo crucial para a vida cristã. Devemos realmente conhecer a Cristo, amá-lo, caminhar com ele e ouvi-lo.

4. “Cristãos maduros desenvolvem hábitos para a vida toda de leitura bíblica e oração.” Isso pode ser totalmente minha culpa, mas de alguma maneira eu não sabia disso até conhecer alguns bons amigos batistas fundamentalistas no ensino médio que começavam cada dia com algo chamado “momento de silêncio.”

5. “Cristãos sofrem.” Nosso sofrimento se torna pior neste país porque ninguém nos diz que ele virá.

6. “Deus pode ter prazer em mim.” Os cristãos que entendem os números 1 a 5 frequentemente têm dificuldade de abraçar essa verdade. Diga a seus membros com frequência que Deus se compraz na obediência deles. Diga a eles que Deus é um Pai amoroso que se compraz em seus fieis, embora imperfeitos, filhos.

7. “Cuidado com os falsos mestres.” Nós não treinamos nossos jovens bem se eles deixam nosso ambiente seguro e assumem que todos os que se apresentam pelo nome de “cristão” ou publicam livros cristãos, ou ensinam em colégios cristãos são dignos de confiança.

8. “Há um Deus em três Pessoas.” O que é mais fundamental do que o próprio Deus? E ainda assim, quantas igrejas instruem adequadamente e frequentemente seus membros a respeito da Trindade?

9. “Há muitas pessoas no mundo que não pensam que o cristianismo é verdadeiro e algumas delas são muito legais e inteligentes.” Se temos estado em igrejas a vida inteira, podemos aprender que há outros que discordam de nós, mas suas crenças e argumentos são frequentemente apresentados de maneira fraca. É fácil as pessoas crescerem na igreja imaginando que outras cosmovisões são bem idiotas e/ou aqueles que as defendem são obviamente pessoas más. Prepare seus membros para que eles saibam que vão encontrar pessoas decentes e inteligentes que discordam deles. Prepare-os para pensar além dos estereótipos.

10. “Há uma razão pela qual nós cultuamos da maneira que cultuamos.” É claro que este pode não ser o caso em toda igreja. Alguns cultos são planejados sob o título básico de “o que quer que eu goste e pareça funcionar.” Mas é provável que sua igreja seja melhor que isso. Tome um tempo para explicar porquê vocês ainda cantam hinos antigos, porquê vocês tentam canções novas, porquê vocês têm uma oração de confissão, porquê há uma oração pastora, porquê o sermão é da maneira que é. O culto fica ridículo os membros nunca foram ensinados o motivo de cultuarmos da maneira que cultuamos.

Se você é um pastor, pai ou mãe, líder de estudo bíblico, professor de EBD, ou qualquer um que instrua aos outros na fé, não assuma que seus filhos ou seu grupo conhece estas coisas. Repita-as. Cante-as. Ore-as. Peça às pessoas que digam o que você acabou de dizer. Faça-as levantarem as mãos. Faça-as repetir depois de você. Faça o que for preciso para se certificar que seu grupo nunca diga que nunca ouviram as coisas mais importantes de você.


Por Kevin DeYoung. Copyright © 2013 The Gospel Coalition, Inc. Todos os direitos reservados. Original: Things People Should Never Say They Never Heard at Your Church
Tradução: Alan Cristie. Copyright © 2013 Editora Fiel. Todos os direitos reservados. Original: Coisas que as Pessoas Nunca Deveriam Dizer que Nunca Ouviram em Sua Igreja

http://www.blogfiel.com.br/2013/01/coisas-que-as-pessoas-nunca-deveriam-dizer-que-nunca-ouviram-em-sua-igreja.html

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

ANDAR COM DEUS – ENOQUE.

http://1.bp.blogspot.com/-Bp6-LPxOSAc/ToMO0mUDW2I/AAAAAAAAE0o/d1O3WL6MS-I/s1600/4642128245_550ea67a6e_o.jpg

Andar indica uma ação dinâmica e necessária na vida dos filhos de Deus. Andar fala de práticas diárias, de decisões no dia a dia. Andar fala de nossa forma de viver no mundo, de nosso estilo de vida.

Andar com Deus significa nossa forma de viver no mundo de maneira que agrade ao Altíssimo. Andar com Deus fala de nosso estilo de vida que se paute pela justiça, pela misericórdia e pela humildade (Mq. 6:8).

Andar com Deus fala de caráter cristão demonstrado diariamente. Andar com Deus é refletir a imagem de Cristo em nós. Andar com Deus é não viver para si, mas consagrar-se diariamente para a glória de Deus (Gl. 2:20).

A Bíblia nos fala de dois personagens que andaram com Deus: Enoque e Noé.

*Enoque.
“Andou Enoque com Deus e já não era, porque Deus o tomou para si.” Gn. 5:24.

Entre os muitos personagens da Bíblia que fascinam as pessoas está Enoque cujo nome significa: “Dedicação.” Algumas lendas foram criadas a partir deste personagem do Velho Testamento.

Os árabes o consideram como profeta. Os rabinos se dividem em torno deste personagem. Eles o apresentam de forma ambígua, ora tendo enfrentado a morte, maneira pela qual o Senhor o protegeu de uma geração pecadora. Por vezes também o apresentam como alguém que foi exemplo de vida piedosa e, que, por conta disso Adonai o tomou para si, sem provar a morte.

Enoque é mencionado 10 vezes nas Escrituras, sendo que 07 no Velho Testamento (Gn. 5:18-19,21-24; 1Cr.1:3) e 03 vezes no Novo Testamento (Lc.3:37; Hb.11:5; Jd.1:14). Embora sejam feitas poucas referências a este personagem, em nada, porém, é insignificante sua trajetória de vida na terra.

Enoque tem sido exemplo de como andar com Deus em comunhão contagiante. Seus dias foram marcados por uma sequência monótona: “gerou... viveu... morreu.”.

Sua trajetória de vida é descrita da seguinte maneira: “Andou Enoque com Deus e já não era, porque Deus o tomou para si.” Gn. 5:24.

* Andou com Deus e sua vida foi mudada em relação aos seus contemporâneos – “Andou... viveu... gerou... e Deus o tomou para si” - Gn. 5:24; Hb.11:5.

* Ele andou com Deus agradando-lhe com seu estilo vida num tempo de corrupção, Gn. 5:22; 6:5. – “... Obteve testemunho de haver agradado a Deus.” Hb. 11:5.

* Andou com Deus e tornando-se o exemplo de fé a ser vivida pelos filhos de Deus, Hb. 11:1-2, 5-6; 12:1.

* Andou com Deus e seu testemunho ecoou profeticamente contra os pecados de seus dias, Jd. 14.

A comunhão com Deus deve ser contagiante como a de Enoque ao ponto de nos levar a viver no tempo presente com fé (Hb. 11:2), com testemunho de haver agradado a Deus (Hb. 11:5), e a esperança de que a morte não fará cessar nossa comunhão com Deus (Gn. 5:24). Vale a pena andar com Deus!

A quem Enoque contagiou quando andou em comunhão com Deus? A passagem de Gênesis nos mostra que Além de Enoque outro personagem andou com Deus no período antediluviano:
O patriarca Noé.

Noé por certo tomou conhecimento da vida piedosa de seu bisavô Enoque e inspirou-se nele para uma vida que marcou sua geração (Gn. 6:10).

por Pr Jones Douglas Dias de Lima
http://institutocristoluzparasnacoes.blogspot.com.br/2012/02/andar-com-deus-enoque.html

HOMENS de FÉ: Abel, Enoque e Noé.



Abel, Enoque e Noé na tradição judaico-cristã tem um lugar de destaque, seus atos estão registrados no livro de Gênesis, o livro da criação. A luz de Hebreus, na chamada galeria dos heróis da fé, esses homens aparecem no inicio do texto, isso por que cronologicamente eles foram os primeiro a serem exemplos de fé e confiança a serem seguidos por nós filhos de Deus.

Mas, o que é fé? Se você for novo por aqui ou tem alguma tradição cristã na família essa pergunta pode ser familiar e ela é respondia por um homem desconhecido, o autor da carta de Hebreus. Mas além do significado que o autor de hebreus dá para Fé, a sabedoria popular tem seus significados para essa pergunta, que não estão de acordo com o que as escrituras nos ensinam: fé em geral é crer muito que Deus vai fazer alguma coisa em nosso favor e essa coisa sempre está relacionada as nossas circunstancias.

Mas a pergunta é: O que é fé? Segundo o misterioso autor de Hebreus essa pergunta deve ser respondia pelos os nossos ancestrais na Fé, os primeiros homens que não só agradaram a Deus, mas também escolheram a vontade de Deus. E quem são eles? Bem, o nosso irmão autor de Hebreus nos dispõe uma lista com os nomes mais conhecidos, pois existem aqueles nos quais não conhecemos e que estão na galeria dos heróis da fé de Deus e os nomes deles estão escritos lá na eternidade, mas eu escolhi os três primeiros para fazermos uma explanação.

O interessante dessa lista é que todos esses homens descritos em Hebreus 11 tem uma coisa em comum, é algo que os faz semelhantes diante de Deus mesmo sem eles terem alguma relação cosanguínea direta. Esses homens e mulheres viram e esperaram algo em comum; Algo para além dos seus projetos de vida particular, eles creram em Deus nosso Senhor de tal forma que diante de Deus eles não olhavam para si mesmos eles olhavam para Deus e suas orações se relacionavam ao Reino de Deus, ao processo histórico da Redenção e a Glória do nome do nosso Deus. Não eram homens e mulheres ajoelhados em razão de seus conflitos existenciais, pessoais, particulares e suas circunstancias de vida, eles não buscavam a Deus por que tinham medo de morrer ou porque queriam uma vida melhor eram homens e mulheres ajoelhados em fé rendidos a Deus. Querendo somente Deus.

Esses três homens me trás um discernimento que eu gostaria de compartilhar com você. Abel, no meu entendimento, se refere a oferta: ele entregou uma oferta aceitável a Deus; Enoque se refere a conhecimento, intimidade, Enoque andou com Deus todos os dias de sua vida. Abel oferece, Enoque se dedica a conhecer e Noé? Noé se levanta e serve. Isso define as etapas da vida em Fé. Você quer ter Fé? Está é a agenda, os passos que o autor de Hebreus nos ensina: oferecer, conhecer e servir. E o nosso Senhor Jesus Cristo, expressa isso em sua face, Ele se ofereceu por nós, andou com Deus todos os dias de sua estadia na terra e serviu a Deus de todas as maneiras. E quando Jesus chama seus discípulos, a única tarefa do discípulo é viver nessa simplicidade é essa a grandeza de vida dos discípulos e é exatamente isso que o mundo não pode entender. Eu me apresentar a Deus e ofereço minha vida, meus sonhos, meus projetos de futuro eu entrego a Deus o descanso mergulhado em Deus para andar com Ele, conhecê-Lo e conhecer-me. Não fazer de Deus um meio para um determinado fim, mas crer de todo coração que Deus é o fim em Si Mesmo, pois meios para fins são ídolos. “Esta é a vida eterna: que te CONHEÇAM, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” Jo 17:3

Terminado: Será que o nosso conceito de fé é pagão ou não está alinhado com a vontade de Deus? O texto de Hebreus diz que sem Fé é impossível agradar a Deus, penso que devemos aprender sobre FÉ com esses homens e mulheres que se puseram diante Deus e entregaram absolutamente tudo e da parte deles não queriam perder nada daquilo que entregaram, mas consideraram grande tolice acreditar que pelas próprias mãos eles teriam algum domínio e viveram com o coração sem desejar nada de Deus por que nada do que recebessem seria maior do que andar e conhecer, aprendendo isso nós podemos experimentar qual seja boa, perfeita e agradável vontade de Deus. Homens e mulheres que o mundo não era digno deles.

Como Abel nós chegamos diante de Deus e nos oferecemos a Ele e ficamos na presença Dele sem nada a desejar com Enoque e somos despedidos por Deus como Noé com o privilégio de servir. Sem medo algum pois sabemos que Ele, o nosso Deus, existe e é Galardoador, Abençoador, Consolador, Libertador, Redentor, Restaurador, Recompensador daqueles que o buscam. Fé é isso, chegarmos como Abel, nos prostramos como Enoque e nos levantamos como Noé. Essa é a minha oração e eu te convido a fazer a mesma.

Nele, que começou a boa obra em nossas vidas.

Escrito por Mateus de Oliveira Moreira.
http://conexaofortaleza.blogspot.com.br/2012/04/homens-de-fe-abel-enoque-e-noe.html