Páginas

terça-feira, 30 de abril de 2013

CGADB se posiciona contra pontos polêmicos do Novo Código Penal

Entre eles a legalização do aborto, das drogas e da prostituição

por Leiliane Roberta Lopes
CGADB se posiciona contra pontos polêmicos do Novo Código Penal 
 
A reforma do Código Penal Brasileiro, projeto que tramita no Senado Federal, foi um dos temas discutidos pelos pastores presentes da 41ª Assembleia Geral Ordinária da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) que aconteceu no início do mês de abril na cidade de Brasília.

Os presentes concordaram em elaborar um documento para ser entregue ao senador Pedro Taques (PDT/MT), relator da Comissão Especial do Senado que discute o novo Código Penal dando o parecer das CGADB a respeito do tema.

Entre os assuntos tratados na “Carta de Brasília” está a posição das Assembleias de Deus contra os pontos mais polêmicos: o aborto, a legalização da prostituição, a criminalização da homofobia e a descriminalização das drogas.

O deputado federal Marcos Rogério (PDT-RO), que é membro da AD, foi encarregado para apresentar a carta ao senador e comentou sobre estes principais pontos que vão contra os princípios constitucionais e a preservação da família.

O senador Pedro Taques se comprometeu a ouvir e apreciar todos os argumentos da CGADB que informou que até o mês de dezembro o Senado deve discutir as mais de 500 emendas apresentadas antes de devolver o projeto para a Câmara.

Leia na íntegra o documento do Fórum Político da CGADB:

Os ministros das Assembleias de Deus no Brasil, reunidos na 41ª Assembleia Geral Ordinária da CONVENÇÃO GERAL DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL (CGADB), nos dias 08 a 12 de abril de 2013, acatando proposta do I FÓRUM POLÍTICO DA CGADB, diante das iniciativas de segmentos liberalistas que defendem a destruição de valores éticos e morais, conquistados ao longo dos séculos, como apanágio da Democracia, vêem a público para MANIFESTAR SEU POSICIONAMENTO cristão e ético com relação às seguintes ameaças de caráter constitucional, ideológico, filosófico e social, contra os valores e princípios morais, nos seguintes assuntos:

I – CONTRA O DIREITO NATURAL À VIDA
O artigo 5°. da Constituição brasileira garante “a inviolabilidade do direito à vida”, bem como a outros direitos essenciais à liberdade e a igualdade entre a sociedade.

1. ABORTO – O anteprojeto do “Novo Código Penal Brasileiro” (NCP) prevê a descriminalização do aborto, banalizando a destruição de seres humanos, no ventre materno. É uma terrível agressão ao direto natural à vida. Esse anteprojeto prevê, em seu Artigo 128: “Não há crime de aborto se: … IV – por vontade da gestante até a 12ª semana da gestação, quando o médico ou psicólogo constatar que a mulher não apresenta condições de arcar com a maternidade.”

- A CGADB é contrária a essa medida, por resultar numa licença ao direito de matar seres humanos indefesos, na sacralidade do útero materno; em qualquer fase da gestação, por ser um atentado contra o direito natural à vida. A palavra de Deus diz: “… e não matarás o inocente” (Ex 23.7).

2. EUTANÁSIA E ORTOTANÁSIA – O anteprojeto do Novo Código Penal prevê, em seu Art. 122, que “Matar, por piedade ou compaixão, paciente em estado terminal, imputável e maior, a seu pedido, para abreviar-lhe sofrimento físico insuportável em razão de doença grave”. “Pena – prisão, de dois a quatro anos”.

§1º O juiz deixará de aplicar a pena avaliando as circunstâncias do caso, bem como a relação de parentesco ou estreitos laços de afeição do agente com a vítima.

- A CGADB é contrária a essa medida e favorável à supressão do parágrafo primeiro, tendo em vista que não existe direito de se tirar a vida, considerando que a vida é um direito jurídico indisponível. Como cristãos, entendemos que vida é um dom de Deus, e só a Ele cabe o direito de dispor desse bem natural que é a vida.

II – LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO

1. CRIMES SEXUAIS CONTRA VULNERÁVEIS. O anteprojeto do NCP prevê, em seu Art. 188: “Constranger alguém que tenha até 12 anos à prática de ato libidinoso, diverso do estupro vaginal, anal ou oral. Pena – Prisão, de quatro a oito anos”. Na legislação atual, a idade mínima para considerar-se vulnerável é de 14 anos.

- A CGADB é contrária à redução da idade para a penalização de crimes sexuais contra vulneráveis, por entender que a Sociedade Mundial de Pediatria considera “criança” o indivíduo de até 14 anos. A criança é objeto de elevada valorização por parte de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, quando expressou: “Deixai vir a mim os meninos… pois dos tais é o Reino de Deus” (Mc……..). Concordar com essa previsão legal é concordar com o incentivo e a legalização da pedofilia.

2. FAVORECIMENTO DA PROSTITUIÇÃO DE MENORES. O Art. 189 da proposta do NCP não penaliza a submissão, a indução, a atração e a exploração de pessoas com mais de 12 anos, para a prática da prostituição.

- A CGADB é contrária a essa medida, por ser um incentivo à prostituição, que é uma atividade degradante, que avilta a dignidade do corpo humano, criado por Deus, para ser “templo do Espírito Santo” (1 Coríntios 6.19,20).

3. “PROFISSIONAIS DO SEXO”. O anteprojeto do NCP prevê legalização de casas de prostituição, bem como dos chamados “profissionais do sexo”, atividade hoje considerada ilegal.

- A CGADB é contrária a tal proposta, pois a prostituição é atividade degradante, que se caracteriza pelo vil comércio do corpo, em total afronta aos elevados princípios morais que norteiam os costumes de povos civilizados. Como cristãos, temos total repúdio à prostituição, por se considerado grave pecado à luz da palavra de Deus. (…………………). Concordar com tal medida é equiparar a prostituição a qualquer outra atividade honrosa e lícita, desenvolvida pelos cidadãos de uma nação.

III – CONTRA A FAMÍLIA

1. UNIÃO ESTÁVEL E CASAMENTO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO.
1.1. O Supremo Tribunal Federal aprovou a união estável de pessoas do mesmo sexo, considerando-a “entidade familiar”, em dissonância com o Art. 226, da Constituição Federal, que reconhece “entidade familiar” a união entre homem e mulher, inclusive a “união estável”, entre homem e mulher, para efeito da proteção do Estado.

1.2. O Projeto de Lei 122/ 2006, no Art. 16, parágrafo 5º, prevê punição, com 2 a 5 anos de prisão, para quem discordar da prática homossexual; e considera constrangimento, “de ordem moral, ética, filosófica ou psicológica”, no Art. 20, parágrafo 5º,

- A CGADB é contrária a tais propostas, visto que, a equiparação da união sexual entre pessoas do mesmo sexo a “entidade familiar” afronta a Constituição e, acima de tudo, por ir de encontro ao princípio bíblico para o casamento, que deve ser constituído pela união entre um homem e uma mulher, conforme Gênesis 1.27 e 28;

- Deus fez o casal, formado de “macho e fêmea; prever punição para quem discordar da prática ou união homossexual, por motivo de ordem ética ou filosófica, é instituir o “delito de opinião”, que só existe nas piores ditaduras..

IV – A FAVOR DA DESCRIMINALIZAÇÃO DAS DROGAS

1. LEGALIZAÇÃO DAS DROGAS. O anteprojeto do “Novo Código Penal”, em tramitação no Senado propõe a liberação de certa quantidade de droga por indivíduo, durante 5 (cinco) dias, bem como o cultivo para consumo próprio.

- A CGADB é contrária a qualquer forma de liberação ou descriminalização de drogas por entender que essa medida enseja a possibilidade de maior circulação das drogas, além de não haver evidência científica de qualquer benefício real ao usuário; Países que liberaram as drogas colheram péssimos resultados morais para a sociedade, e estão rediscutindo tais medidas liberalistas.

Brasília, 12 de abril de 2013

Mesa Diretora da CGADB
Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil

 FonteGospel Prime 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A Família sob Ataque

Peço atenção a esse vídeo (assistam todo).
Veja o que acontece realmente em Brasília.
Como estão atacando as crianças, familias e a igreja.
DAMARES ALVES é pastora, advogada, membro da Igreja do Evangelho Quadrangular, atualmente exerce as funções de Assessora Parlamentar no Congresso Nacional, Assessora Jurídica da Frente Parlamentar Evangélica e Secretária Nacional do Movimento Brasil Sem Aborto. É também assessora jurídica da Frente Parlamentar da Família e Apoio a Vida, liderada pelo senador Magno Malta e co-fundadora do movimento ATINI – Voz Pela Vida, que exerce uma importante luta no combate à violência contra crianças indígenas. Além disso, a Dra. Damares Alves é Diretora de Assuntos Parlamentares da ANAJURE - Associação Nacional de Juristas Evangélicos.


" Alguns dos mais terríveis golpes contra a família são manipulados pelas autoridades públicas, ou seja, justamente por aqueles que deveriam zelar pelo fortalecimento da constituição da família tradicional (Rm 13.4). Há uma onda do materialismo e do liberalismo social, ambos a serviço do Diabo, predominando nas políticas públicas. Todavia, a Igreja do Senhor Jesus Cristo, a “coluna e firmeza da verdade” (1 Tm 3.15), cerrará as fileiras de guardiã dos princípios éticos fundamentais da família. Assim, não pereceremos sob os ataques contra a família, mas glorificaremos a Deus."
Pr. Elinaldo Renovato de Lima

Peço que leiam também a lição biblica A Família sob ataque e nos preparemos para a guerra.

 http://altairgermano.com.br/wp-content/uploads/2013/04/a-fam%C3%ADlia-sob-ataque.jpg

http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2013/2013-02-04.htm


 

segunda-feira, 1 de abril de 2013

ESTE É O MELHOR MOMENTO DA IGREJA


http://noticias.gospelmais.com.br/files/2012/07/evangelicos2.jpg
Por Pastor Ciro Sanches Zibordi

Estamos presenciando e experimentando o maior avivamento da História! Nunca na história eclesiástica os cristãos de um país foram tão unidos em prol da evangelização e da formação de discípulos. Todos jejuam, oram e pregam o Evangelho.

O cristianismo praticado no Brasil é um modelo para o mundo. Os crentes influenciam as pessoas positivamente, e todas as mazelas estão desaparecendo ou diminuindo. Há cada vez menos miséria, ignorância, prostituição, violência, tráfico de drogas, corrupção, etc.

“Unanimidade” é a palavra de ordem na igreja brasileira, que segue o exemplo da igreja primitiva. É um o coração do povo evangélico. Cada crente em Jesus Cristo frequenta a Escola Bíblica Dominical e/ou as reuniões de estudo bíblico, pois está consciente de que precisa aprender e apreender a Palavra do Senhor.

Nenhum crente em Jesus assiste ao Big Brother Brasil, pois todos estão cientes de que esse programa visa à destruição da família, dos valores morais e dos bons costumes. As servas do Senhor também não deixam de ir aos cultos por causa de novelas.

Os programas de TV evangélicos priorizam a evangelização. Eles dedicam cada vez menos espaço à divulgação de pessoas e de produtos, para que haja um bom tempo para a exposição do Evangelho de Cristo, que é poder de Deus para a salvação de todos os que creem.

Não existem divisões. A paz reina soberana entre nós. Calvinistas e arminianos discutem com amor e tolerância; pré-milenistas, pós-milenistas e amilenistas se entendem; batistas e presbiterianos não se alfinetam; pentecostais e cessacionistas não se digladiam na Internet; assembleianos de ministérios diferentes se intercambiam. Todos divergem apenas na exposição de seus pensamentos, mas se consideram irmãos em Cristo.

Líderes e expoentes cristãos têm cuidado de si mesmo e da doutrina, em vez de “cuidarem” da vida dos outros. Os inimigos dos evangélicos não são pessoas, e sim principados, potestades, hostes espirituais da maldade, príncipes das trevas deste século. Nenhum cristão alimenta ódio ou sentimento de vingança em seu coração. Não existem pessoas invejosas e ameaçadoras em nosso meio, principalmente entre pastores, pregadores e cantores.

A humildade e o amor fraternal são as virtudes mais cultivadas por todos os cristãos. Ninguém se considera superior aos outros nem deseja prejudicar a quem está sendo abençoado por Deus. Nenhum servo do Senhor quer ocupar o palco para zombar de quem está na plateia.

Sabia que até os políticos evangélicos estão fazendo um excelente trabalho? Além de serem cristãos exemplares em sua conduta, apresentam propostas para melhorar a vida de todos os brasileiros. Eles não perdem tempo com discussões inúteis nas redes sociais nem xingam as pessoas que os criticam.

Os compositores evangélicos priorizam a mensagem cristocêntrica e as expressões de louvor a Deus. Eles nunca injetam em suas composições bordões comerciais de autoajuda nem expressões triunfalistas que massageiam o ego das pessoas.

E os pregadores? Estes pregam somente o Evangelho da cruz. Expoentes e cantores evangélicos, na sua totalidade, têm como motivação principal o amor a Deus e ao próximo, e não o amor ao dinheiro e à fama. Quanto aos cultos evangélicos, em todas as denominações, são realizados com decência e ordem, seguindo à risca o que está escrito em 1 Coríntios 14. Não existem, em nosso meio, pregadores malabaristas, espalhafatosos, animadores de auditório.

Também não há shows para animar a galera, pois todos os líderes de louvor e cantores estão conscientes de que devem adorar a Deus em espírito e em verdade. E os grandes congressos da Assembleia de Deus, como estão? Nestes, a Palavra de Deus tem a primazia. Os preletores convidados começam a pregar sempre no melhor momento do culto, quando os ouvintes estão bem dispostos para receber a mensagem.

Ódio e inveja entre os pastores são coisas do passado. Ninguém despreza um companheiro por pertencer a outro ministério. As eleições convencionais são pacíficas, ordeiras e fraternais. Não há vaias e assobios. E os que protestam fazem isso com ética e respeito.

Finalmente, todos os evangélicos brasileiros leem a Bíblia diariamente, além de prezarem os bons livros. Aliás, em nosso país, os cristãos leem em média dois livros por mês. E mais de 50% deles já leram pelo menos um livro de Ciro Sanches Zibordi (risos).

Ah, se tudo isso fosse verdade! Mas foi apenas um sonho que tive neste dia primeiro de abril...

Ciro Sanches Zibordi
 http://www.facebook.com/ciro.zibordi/posts/10151381047377194