Páginas

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Vivemos o Evangelho de Jesus?

http://2.bp.blogspot.com/-s6I0VXnmWBo/T8TiOeVy-hI/AAAAAAAAAdY/S_Oo7b0kXEE/s1600/AS+PSEUDOS+IGREJAS+EVANG%C3%89LICAS.jpg

Texto Bíblico: Gálatas 1.6-7: “Admira-me que estejais passando tão depressa daquele que vos chamou na graça de Cristo para outro evangelho, o qual não é outro, senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo”.

Reflexão: Todos já observamos a quantidade de opções denominacionais que compõe o cardápio cristão. Alguns entendem isso apenas como uma escolha feita pelas pessoas, já outras entendem como a fragmentação do corpo de Cristo. Gostaria de me ater à essência desta questão – o Evangelho que vivo é o mesmo de Jesus Cristo? Sei que existem muitas denominações cristãs no mundo, desde que a Igreja tornou-se mundialmente conhecida. Esta situação não é nova, tem pelo menos 1.700 anos e não vai parar por aqui, continuarão sendo criadas novas denominações a cada dia neste mundo. Porém, o que devemos levar em conta, não é a placa à frente da porta, embora saibamos que existem aquelas que têm uma maior credibilidade do que outras, por sua história e presença no mundo. O que verdadeiramente importa é qual o Evangelho que a nossa comunidade vive. Por mais sinceros que sejamos, devemos ter em nossa mente, que ao pertencer a uma comunidade cristã, não estaremos fazendo parte de um clube social, embora ela seja uma comunidade social. Estamos ali porque nos identificamos com as pessoas, porém, o mais importante é nos identificar com o Evangelho que eles creem e pregam. Muitas pessoas mudam de Igreja sem se perguntar se as doutrinas que elas pregam estão de acordo com o Evangelho de Jesus Cristo. É mais importante satisfazer seus anseios pessoais, acalentar seus corações feridos, pertencer a um grupo de pessoas, do que refletir sobre a conduta doutrinária da comunidade que estão abraçando. Nunca se dão conta de que erros doutrinários podem nos levar para longe do Senhor da Igreja. Talvez nunca percebamos, que por mais agradável que seja pertencer a determinado grupo, poderemos estar cavando um profundo abismo doutrinário, ético e moral entre o que vivemos e o que o Evangelho ensina. Muitas pessoas deixam-se envolver por líderes e/ou comunidades, que manipulam sua fé, ensinando-as doutrinas contrárias aos ensinamentos do Evangelho de Jesus. Por isso, refletir, confrontar com o ensino do Senhor é a melhor maneira de não sermos enganados por estes agentes do mal, que travestidos de cordeiros, enganam facilmente, aqueles que, infelizmente, ainda não conhecem a doutrina que abraçaram.

Oração: Senhor Jesus, ajuda-nos a ter discernimento espiritual para entender e refletir sempre se a nossa vida, a comunidade em que estamos inseridos e se os ensinos que aprendemos estão condizentes com o teu Evangelho. Que o teu Espírito Santo nos conduza por tuas verdades. É o que oramos em teu nome. Amém!

Rev. Fred Souto

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

OS PEQUENOS MILAGRES DE CADA DIA!

Você tem agradecido a Deus pelos pequenos milagres de cada dia?

http://2.bp.blogspot.com/-NE8Y8XqI0bU/T2nqSlRY6MI/AAAAAAAAAlU/cM_EyK6126k/s400/image003.jpgPergunto isso porque hoje em dia quase só ouvimos as pessoas comentarem dos “grandes feitos” do Senhor. Hoje parece que só celebramos as grandes conquistas, que não acontecem todos os dias, e por isso nos esquecemos das pequenas manifestações diárias do amor de Deus.

As canções de louvor preferidas por muitos hoje em dia são aquelas cujas letras contenham palavras como: “Faz chover, Senhor!”; “Derrama chuva neste lugar!”; “Vem inundar o meu coração!”; “Faz esse rio transbordar!” e muitas outras desse tipo. Nada contra esse tipo de canção, mas você já percebeu que essas canções nos fazem apenas desejar e lembrar as “grandes bênçãos” do Senhor? (Como se toda bênção do Senhor não fosse grande!).

No coração de muitas pessoas bênçãos só são bênçãos se envolverem: Abundância e Qualidade!

Abra a sua Bíblia em Gênesis, primeiro livro da Bíblia, e leia: “Esta é a gênese dos céus e da terra quando foram criados, quando o Senhor Deus os criou. Não havia ainda nenhuma planta do campo na terra, pois ainda nenhuma erva do campo havia brotado; porque o Senhor Deus não fizera chover sobre a terra, e também não havia homem para lavrar o solo. Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo.” (Gênesis 2:4-6).

Reparou no verso seis? Leia bem devagar: “Mas uma neblina subia da terra e regava toda a superfície do solo.” Hoje em dia não vemos mais essa “neblina que sobe da terra”, mas perceptível ou não, existe um orvalho que rega a terra todos os dias. É muito fácil prestarmos atenção e admirarmos a chuva que cai, ou o sol que brilha, mas poucos admiram a beleza do orvalho todas as manhãs.

O vendedor “cristão” de hoje em dia alegra-se com a venda de R$ 1.000,00, mas pouco agradece pelas pequenas vendas diárias de R$ 50,00 ou R$ 100,00 que faz.

Agradecemos a Deus pela cura de um câncer, mas nem percebemos que Ele também fez passar aquela pequena dor de cabeça que tanto nos incomodava.

De vez em quando fazemos longas viagens, pedimos a proteção do Senhor, e ficamos muito alegres quando chegamos aos nossos destinos sãos e salvos. Mas, enfrentar o trânsito louco de hoje em dia e chegar bem em casa todos os dias não é uma bênção... para não dizer um milagre?

Às vezes estamos tão preocupados esperando ver o Senhor “abrir o Mar Vermelho” da nossa vida, ou dividir as “águas do Jordão”, ou quem sabe ainda ver as “Muralhas de Jericó” desabar na nossa frente, que não prestamos atenção nos pequenos milagres diários que Deus vem fazendo por nós.

Talvez você esteja pedindo há muito tempo para que Deus derrame “chuvas de bênçãos” sobre a sua vida, mas até que as chuvas voltem a cair em grande proporção sobre a sua vida, alegre-se com o “pequeno orvalho” que imperceptivelmente cai todos os dias sobre a sua vida.

Talvez esteja na hora de cantarmos todos os dias o coro daquele velho hino:

Conta as bênçãos, conta quantas são.
Recebidas da divina mão.
Uma a uma, dize-as de uma vez,
Hás de ver surpreso quanto Deus já fez.

Deus disse para Abraão: “Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes.” (Gênesis 15:5). Olhando daqui da Terra, as estrelas são tão pequenas, mas não temos como medir o tamanho delas!

Então hoje eu te convido novamente a contar as bênçãos que Deus derrama como o orvalho todos os dias sobre a sua vida. Conte-as todas de novo, se é que podes!

Deus te abençoe!

Sérgio Müller
E-mail: sergio.muller@superig.com.br

domingo, 19 de janeiro de 2014

Programa BBB? Amooo!



Vou lhe confessar uma coisa, amigo leitor.
E espero que não fique decepcionado.
Mas lhe digo isso diante do Senhor:
Por BBB estou apaixonado.

Durmo pensando em BBB.
Acordo com BBB na mente.
BBB é tudo o que eu quero ver.
Afinal, eu sou crente!

Com BBB, não vejo o tempo passar.
É melhor do que estar com os amigos.
BBB me ensina a amar.
Afasta-me dos perigos.

BBB também é bom para você.
E pode mudar a sua história.
Mas cuidado com certo programa de TV.
Não perca a sua vitória!

Dizem que tal programa é especial.
E abre a cabeça de muita gente.
Mas quase tudo ali é imoral.
Mesmo assim, prende a atenção até dos crentes!

Nosso Deus, que efervescência!
Que jugo desigual.
Fujamos dessa excrescência!
Ai dos que ao bem chamam mal.

Mas eu gosto de BBB!
É um programa para salvo.
Ele me ajuda a viver.
E me impede de errar o alvo.

Amigo leitor, não seja bobo!
Deus quer abençoar a sua vida!
Esqueça essa armadilha da Globo!
E pense em (B)íblia, (B)íblia, (B)íblia!

Ciro Sanches Zibordi

"O Grande Eu Sou e os deuses do Egito"

http://2.bp.blogspot.com/-C3Fb16xvO_g/TjLaXFQv8lI/AAAAAAAAAZQ/zDuTzHFBCTk/s1600/egito.jpg

Todos um dia já ouviram falar das pragas do Egito, quando Moisés tentou tirar por ordem de Deus o povo israelita escravizado no Egito.
Mas porque razão foi necessário as dez pragas sobre aquele povo? Qual era o recado de Deus para faraó e os egípcios?
O Egito na época de Moisés era a maior potencia em termos de governo, domínio e tecnologia. Um país avançado nas artes, na engenharia, arquitetura, administração e muito mais.
O Egito era governado por um faraó, mas os egípcios além de adorar ao faraó como uma encarnação do deus sol adorava também cerca de 2000 deuses.
Praticamente tudo que existia estava associado a um deus.
Então, Deus levanta Moisés para revelar sua glória ao Egito e a pergunta de Moisés foi: Senhor, quando me perguntarem seu nome o que é que eu digo?
E a resposta de Deus foi: 
"EU SOU O QUE SOU, EU SOU me enviou a vós" (Êxodo 3.14)
Em resumo, Deus estava falando que Ele era o grande Eu sou, Ele era tudo e nada podia ser comparado a Ele.
Então, quando Moisés apresentou o grande EU SOU a faraó, é óbvio que ele não iria acreditar que apenas um Deus, com um nome tão estranho pudesse vencer os cerca de 2000 deuses do Egito.
Então, Deus começa a mostrar seu poder sobre cada deus do Egito através das 10 pragas:

Primeira praga: As águas tornam-se em sangue
O rio Nilo era adorado pelos egípcios, aliás o Egito era considerado uma dádiva do Nilo.
Ele criam que os principais deuses governavam o Nilo e o principal era o deus Hâpi, criador de todas as coisas, que da lama do Nilo formou o homem.
Quando as águas do Nilo se tornaram em sangue por sete dias e toda vida do Nilo cessou, Deus derrotou a Hâpi.
Segunda praga: A praga das rãs
Os egípcios criam na deusa-Rã Heqt, a deusa da ressurreição. Porém ao invadir o Egito com rãs, Deus venceu Heqt, e a Bíblia fala que depois de orar para que cessasse a praga, as rãs foram juntadas aos montões e a terra cheirou mal, cheirou a morte. Onde estava então a deusa da ressurreição?
Terceira praga: A praga dos piolhos
O pó da terra se transformou em piolhos e isto foi considerado magia pelos egípcios, então os magos invocaram a Tot, senhor da magia, mas eles foram totalmente desmoralizados.
Quarta praga: A praga das moscas
O Egito adoravam a Ptah, como o criador de todas as coisas, inclusive das moscas, e toda a terra do Egito foi invadida pelas moscas, com excessão da terra de Gósen, onde o povo de Israel vivia. Deus guardou seu povo e derrotou a Ptah.
Quinta praga: A praga da peste nos animais
Alí Deus derrotou dois deuses em uma cajadada só. Derrotou Hathor, a deusa-vaca e derrotou Àpis, o deus-touro, aquele mesmo bezerro de ouro que os israelitas quiseram adorar depois.
Sexta praga: A praga da úlceras
Naquele momento, tanto homens como animais foram acometidos de furúnculos e sarnas e os magos clamaram com certeza a Imhotep, deus da medicina, mas este não pode fazer nada por eles, Deus o derrotou.
Sétima praga: A praga da Saraiva
Os céus do Egito se encheram de trovões e fogo, imaginem o desespero daquele que olhava para o céu. Foi aí que Deus mostrou que tanto Reshpu, controlador das chuvas e trovões, quanto Nut, deus-céu não tinham poder nenhum.
Oitava praga: A praga dos gafanhotos
Faraó confiava em sua força e na força de seu deus Min, protetor das lavouras, para  guardar seus celeiros, mas Deus derrotou a Min, enviando uma praga de gafanhotos que não deixou nem uma folhinha sobre toda a terra do Egito.
Nona praga: A praga das trevas
Por três dias o Egito ficou mergulhado em densas trevas, trevas que eram palpáveis de tão densas. A luz do Egito, representada pelos deuses Rá, deus-sol; Hórus e Aten, deuses solares, foi apagada. Deus derrotou a todos eles.
Décima praga: A morte dos primogênitos
Alí Deus derrotou a faraó, pois ele era considerado a encarnação de Osíris, o doador da vida e também a Ísis, deusa da vida. Nem Faraó, nem Ísis e nem Osíris puderam trazer os primogênitos de volta a vida. Deus é Senhor sobre tudo e todos.

Assim, Deus mostrou que Ele é o GRANDE EU SOU, aquele povo pôde ver que seus deuses eram completamente inúteis e que só há um Deus sobre toda a terra.
Assim diz o Senhor: "Eu sou o Senhor; este é o meu nome; a minha glória pois a outrem não darei..." Isaías 42.8

As pragas e as ardilosas propostas de Faraó


http://2.bp.blogspot.com/-PEXGMgkt8kc/UtiE0AHz8bI/AAAAAAAAMoU/OFbO9b1pqOk/s1600/AS%2BPRAGAS%2BDIVINAS%2BE%2BAS%2BPROPOSTAS%2BARDILOSAS%2BDE%2BFARA%25C3%2593%2B%25281%2529.PNG
Faraó estava decidido a não deixar o povo de Deus partir do Egito, pois a saída dos hebreus iria prejudicar seriamente a economia egípcia. Diante da recusa de Faraó, o Senhor enviou várias pragas que deixaram o Egito arrasado economicamente. Como um Deus bondoso poderia enviar terríveis flagelos a um povo?

Qual era o seu propósito? O Senhor desejava mostrar que os deuses egípcios não eram nada. Todavia, os mágicos de Faraó tentaram, por duas vezes, realizar também os mesmos milagres. Nos dois primeiros flagelos eles foram bem-sucedidos (Êx 7.14-24; 8.1-15), porém Deus não permitiu que houvesse mais demonstração de milagres por intermédio do ocultismo. Cada praga enviada ao Egito estava relacionada com uma divindade adorada por eles. Quando Faraó viu que não poderia deter os hebreus por muito tempo, tentou iludi-los com falsas promessas. Estamos vivendo tempos trabalhosos, precisamos estar também atentos às muitas propostas ardilosas do maligno para a igreja. Moisés, como líder do povo de Deus, soube discernir cada sugestão de Faraó. Tem você buscando em Deus o dom do discernimento?

Observe, com atenção, as quatro ardilosas propostas de Faraó e veja o que elas representavam: A primeira proposta de Faraó (8.25). “Ide, sacrificai ao vosso Deus nesta terra” (Êx 8.25). O que ela representava? Representava a falta de santidade, de separação das coisas deste mundo. Deus exige santidade do seu povo: “E ser-me-eis santos, porque eu, o Senhor sou santo, e separei-vos dos povos, para serdes meus” (Lv 20.26).

A segunda proposta (8.28). “Somente que indo, não vades longe”. O que ela representava? Uma separação parcial do Egito. Atualmente muitos já aceitaram esta proposta e querem viver um cristianismo sem compromisso com Deus e sem a cruz.

A terceira proposta (10.7). “Deixai ir os homens somente, e os filhos fiquem no Egito” (Êx 10.7). O que ela representava? A divisão familiar. Deus criou a família e deseja que ela viva unida, pois nenhum reino (ou instituição) dividido pode estar de pé (Mc 3.24), porém o Inimigo trabalha sempre para separá-la.

A quarta e última proposta. “Ide, servi ao Senhor; somente fiquem ovelhas e vossas vacas” (v.24). O que ela representava? A falta de sacrifícios, de entrega ao Senhor e de adoração. Evangelho sem a cruz de Cristo não é evangelho autêntico.

Satanás vai tentá-los com muitas propostas. Ele tentou o Filho de Deus, mas foi derrotado. Jesus derrotou o Diabo utilizando a Palavra de Deus, faça uso da Bíblia, pois ela é uma arma poderosa contra as propostas ardilosas do Inimigo.

SUBSÍDIOS ENSINADOR CRISTÃO


http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2014/2014-01-03.htm

As propostas de Faraó ao povo de Deus

Escola Dominical abençoada, onde estudamos as propostas que Faraó fez a Moisés quando Deus começou a enviar as pragas ao Egito.
Faraó não queria libertar o povo de Israel, mas queria ficar livre das pragas, por isso fez uma serie de propostas ao povo de Deus.

https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash3/t1/1604633_697689350271304_1288330601_n.jpg

A primeira proposta de Faraó, "ide, sacrificai ao vosso Deus nessa terra" (Ex 8.25); exigia que o povo de Israel cultuasse a Deus no Egito, em meio aos falsos deuses. Aqui vemos o ecumenismo que tantas pessoas defendem hoje em dia, a mistura de crenças que não agrada ao nosso Deus. Devemos ser um povo separado, santificado, consagrado ao nosso Deus.

A segunda proposta de Faraó, "Somente indo não vades longe" (Ex8.28); resultaria em o povo de Deus sair do Egito, mas o Egito não sair deles, como acontece hoje em dia com o crente mundano. Significa para o crente de hoje o rompimento parcial com o pecado e com o mundo. É a vida cristã sem profundidade.

A terceira proposta de Faraó, "Deixai ir os homens" (Ex10.7); atingia os chefes de família e demais adultos. Os demais membros da família (mulheres, crianças e idosos) ficariam no Egito. A saída parcial do povo, como queria Faraó, resultaria no fracionamento, fragilização das famílias, dividindo-as. O propósito de Deus é sempre abençoar toda a família, no sentido de que ela seja salva, unida, coesa, forte, feliz e saudável.

A quarta e ultima proposta de Faraó, "Ide servi ao Senhor, somente fiquem vossas ovelhas e vossas vacas" (Ex10.24); sem ovelhas e vacas não haveria sacrifícios. Não haveria entrega ao Senhor. Esta proposta também significa nossos negócios e interesses materiais, não santificados e sujeitos à vontade do Senhor. O crente precisa viver uma vida digna, não só diante de Deus, mas também diante dos homens. A santidade é um imperativo na vida do cristão até mesmo nos negócios.

Conclusão: A atitude do cristão hoje ante as traiçoeiras propostas do Maligno deve ser a mesma dos representantes de Israel, Moisés e Arão: "Nem uma unha ficará" no Egito (Ex 10.26).

Lições Bíblicas CPAD
Jovens e Adultos

1º Trimestre de 2014

Título: Uma jornada de fé — A formação do povo de Israel e sua herança espiritual

Comentarista: Antonio Gilberto

Lição 3: As pragas divinas e as propostas ardilosas de Faraó

Data: 19 de Janeiro de 2014

Quem quiser ler a lição toda é só entrar nesse link:
http://www.estudantesdabiblia.com.br/licoes_cpad/2014/2014-01-03.htm

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

CONFIRA TUDO O QUE PODE ACONTECER EM SUA VIDA EM 2014

http://www.podcastf1brasil.com.br/wp-content/uploads/2013/12/2014.jpg

Feliz 2014 para todos vocês, meus amigos! Depois de um merecido descanso, estou de volta, e se Deus quiser quero poder continuar compartilhando mensagens diárias que possam edificar suas vidas. E começo o ano com uma mensagem que espero, sirva de alicerce para todo o ano, escrita por Hermes C. Fernandes. Leia com muita atenção e reflita em cada frase.

Não se deixe enganar! Os profetas midiáticos blefam. Os astros mentem. Os búzios falham. A bola de cristal está cheia de rachaduras. Os videntes estão cegos. Os slogans que as igrejas adotam para o novo ano não passam de marketing. Em 2014, tudo pode acontecer. Por mais que façamos votos disso ou daquilo, o fato inconteste é que não temos controle sobre o que nos pode acontecer. Todavia, podemos decidir como reagiremos diante de algumas possibilidades. Baseado nesta premissa, eis minhas resoluções para 2014 e para dois mil e sempre.

Já que tudo pode acontecer, então...

Caso venha a prosperar, que o orgulho não se assenhoreie de mim, e para tal, hei de manter sempre fresca a memória de minhas origens. Que a avareza jamais se instale em minha vida, e que os bens que adquirir sejam usados para beneficiar a muitos. Que não me deixe consumir por qualquer que seja o sonho de consumo. Que o desejo por posses não me torne uma pessoa fútil e desprezível. Que eu dê valor às pequenas coisas que verdadeiramente dão sentido à vida, e me desapegue daquelas que insistem em me convencer de que são essenciais.

Caso venha a passar alguma privação, que a murmuração jamais se ouça dos meus lábios, e para isso, hei de trazer à lembrança as inúmeras vezes em que a provisão de Deus me encontrou e, por isso, serei sempre grato. Estou convencido de que há lições que só são aprendidas na adversidade.

Se for promovido, que meu amor ao poder não me torne insensível ao poder do amor, transformando-me num cínico.

Se for aclamado, que a vaidade mantenha distância do meu coração, lembrando-me que os mesmos que receberam Jesus com mantos e palmas em Sua entrada triunfal, no dia seguinte exigiram a Sua crucificação. Que jamais caia na tentação de almejar ser unanimidade. E que, assim, meus princípios e valores sejam conservados em vez de negociados na banca da vaidade. 

Se for humilhado e desprezado, que não me sinta insultado, mas alegre pelo privilégio de ser partícipe do sofrimento do meu mestre. Que em momento algum reivindique para mim a promessa de ser exaltado a fim de ir à forra com aqueles que me pisaram.

Se ficar doente, que isso me seja um lembrete do quão frágil e fugaz sou. 

Se me mantiver saudável, use minhas energias para produzir em favor do bem comum, e não apenas do meu aprazimento.

Se for traído, que não me demore a perdoar, antes que a dor crie raízes profundas em minha alma e transtorne os fundamentos do meu ser.

Se tiver que lutar, que eu lute por uma causa, não por uma coisa.

Se for amado, que eu busque corresponder. Se não for amado como desejaria ser, que, ao menos, procure ser amável.

Se tiver que ensinar, que meu objetivo seja partilhar o que tenho recebido e não impressionar os outros com minha erudição.

Se tiver que aprender, que eu seja humilde o bastante para constantemente revisar tudo o que julgo saber, mantendo-me sempre aberto a novos saberes.

Se conhecer novas pessoas, jamais despreze meus velhos amigos. Amizade é como vinho, quanto mais velho, melhor.

Se conhecer outros lugares, possa explorar seus sabores e odores, mergulhar em sua cultura, adquirir experiências, mas nunca perder minhas raízes, tampouco me envergonhar de minhas origens.

Se a tragédia me vitimar, que ela não seja capaz de roubar-me a ternura e privar-me da esperança. Que eu consiga extrair dela todas as lições que puder, e que, uma vez apreendidas, use-as para prevenir os demais, poupando-os da mesma dor.

Sou o fruto de todas as minhas vivências, de todas as minhas aventuras e desventuras, e por isso, recuso-me a ser ingrato. Todos os que cruzaram o meu caminho ao longo desta jornada existencial, contribuíram para que me tornasse no que estou me tornando. Mesmo os que me fizeram sofrer foram cruciais para mim. Não lhos negarei minha gratidão. Cada lugar por onde passei, serviu de cenário de minhas ações e paixões, alegrias e decepções.

Apesar de desconhecer o que me espera nas próximas curvas da estrada, sigo confiante, fiado na única garantia de que disponho: a Sua companhia.

Bem-vindo 2014, 2015, 2016, dois mil e sempre!


Deus te abençoe!

Sérgio Müller

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

31 dias de gratidão

http://25.media.tumblr.com/6bf5b8b96b74858976ae1699087fa0f5/tumblr_mfyitiPebI1qdu4dpo1_500.jpg 

 Leitura: Salmo 136:1-16,26
Rendei graças ao Senhor dos senhores… Salmo 136:3

O dia primeiro de janeiro, de acordo com muitos calendários, é o dia da Confraternização Universal. Mas, com certeza, esta celebração é facilmente transferível para o mês inteiro. Talvez janeiro devesse ser o mês mundial da confraternização da paz e da gratidão.

Para fazer melhor uso desta celebração de gratidão, vejamos o que as Escrituras dizem sobre agradecimento.

Podemos começar no Salmo 136, que inicia e termina com palavras como “rendei graças” ou “tributai” (vv.1,26). Neste capítulo, repetidamente somos lembrados de uma única razão primordial para dar graças ao nosso grande Deus: “…sua misericórdia dura para sempre”. Poderíamos investir o mês todo aprendendo sobre gratidão a partir de Salmo 136.

O salmista nos lembra das grandes maravilhas de Deus (v.4). Ele nos fala da obra criativa de Deus resultante de Sua sabedoria (v.5). Deus se move para iniciar o grande êxodo de Seu povo (vv.10-22). Ao pensarmos nestas imagens de criação e libertação encontradas no Salmo 136, podemos facilmente encontrar algo para agradecer a Deus todos os dias durante este mês de gratidão.

Há melhor maneira de iniciar um novo ano do que concentrar-se em expressar gratidão ao nosso Senhor? “Rendei graças ao Senhor, porque ele é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre” (v.1).


Dave Branon
http://ministeriosrbc.org/2014/01/01/31-dias-de-gratid%C3%A3o/